Em 11 de fevereiro, o USITC vai votar se a importação de mirtilos para os EUA causou danos ao setor local

Escritório da Comissão Internacional de Comércio dos EUA (USITC)

Em 06 de outubro de 2020, a Comissão de Comércio Internacional dos Estados Unidos (USITC) iniciou o processo de investigação, no âmbito da Seção 201 da Lei de Comércio de 1974, a fim de determinar em que medida o aumento nas importações de mirtilos, causou danos graves ou ameaça de danos aos produtores norte-americanos desse produto.

Isso, no âmbito de uma investigação solicitada pelo escritório do Representante de Comércio dos Estados Unidos (USTR) por carta de 29 de setembro à USITC, que inclui mirtilos cultivados orgânicos, silvestres, frescos e congelados. A investigação tem uma duração 180 dias. "Esta é uma investigação que não tem como alvo um país específico, mas sim todos os mirtilos importados como um todo", disse Ronald Bown, presidente da ASOEX.

A primeira audiência pública foi realizada na terça-feira, 12 de janeiro de 2021, como parte do processo de investigação e seu agendamento. No entanto, é importante observar que, anteriormente, todos os países envolvidos, Argentina, Canadá, Chile, México e Peru, submeteram relatórios à consideração dos membros da comissão da USITC. Assim, na audiência pública de terça-feira, ambas as partes, a favorável à imposição de salvaguardas, como a contrária, apresentaram seus argumentos e responderam às perguntas dos comissários.

A esse respeito, o dirigente observou que, desde o início do processo investigativo, o trabalho foi realizado de forma totalmente coordenada entre o Subrei, a Embaixada de nosso país nos Estados Unidos e o setor privado. “Temos um escritório comum de assessoria jurídica nos Estados Unidos e o Embaixador do Chile nos Estados Unidos, Alfonso Silva; o subsecretário de Subrei, Rodrigo Yañez, além de representantes do setor privado nacional e assessores jurídicos dos Estados Unidos ”, destacou.

Da mesma forma, é importante observar que o Comitê Chileno de Blueberry-ASOEX faz parte da Blueberry Coalition for Progress and Health, que é formada por empresas e produtores locais dos Estados Unidos, bem como empresas de mirtilo e associações comerciais do diferentes países envolvidos na investigação, e cujo objetivo é se opor às possíveis limitações ao comércio de mirtilos para os Estados Unidos.

A coalizão é composta por: Agroberries SA, Alpine Fresh Inc., Aneberries AC, Berries Paradise SAPI de CV, California Giant Berry Farms, Camposol Fresh USA, Inc, Driscoll's, Inc., Family Tree Farms, Fresh Produce Association of the Americas, Giddings Berries, Hortifruit, Andrew & Williamson Fresh Produce, Pro Arandanos, United Exports Limited, Reiter Affiliated Companies, Chilean Blueberry Committee e Chilealimentos.

Essa coalizão, durante a audiência, argumentou que as importações não são a causa substancial dos graves danos à indústria de mirtilo dos EUA, mas sim que permitiram o desenvolvimento de um mercado de mirtilo saudável e próspero nos EUA.

Por fim, é importante mencionar que no dia 11 de fevereiro os comissários da USITC devem votar se há ou não danos aos produtores locais. Se a comissão determinar que não há prejuízo grave aos produtores locais, o processo termina, mas se eles votarem  a favor, ou seja, que haja esse dano em decorrência da investigação, poderão ser impostas medidas de salvaguarda por prazo determinado. Tudo vai depender da recomendação que enviei ao USITC para o Presidente dos EUA, quem finalmente decidirá implementar ou não as medidas. 

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

As uvas superam o mirtilo e é a fruta mais exportada no Peru durante ...

Espanha: Huelva é a província com maior crescimento das exportações de...

O Peru foi o principal fornecedor de mirtilos para os Estados Unidos durante...