Higínio Cardona, da Agrícola MC:

“Os compradores estão muito felizes porque a campanha do mirtilo espanhol já começou”

Aos poucos os volumes de mirtilos espanhóis desta nova temporada ao mercado. “A qualidade e o calibre dos frutos são muito bons depois de uma floração que tem sido boa e esperamos que a produção seja muito positiva este ano”, explica. Higínio Cardona, da Agrícola MC.

“Começamos há poucos dias em linha com o ano passado; Podemos até estar até uma semana mais adiantados porque os dias de bom tempo têm sido muito perceptíveis no amadurecimento da fruta, mas temos de ter em conta que estamos em Fevereiro e ainda podem chegar ondas de frio e parar a produção”, lembra. “O importante é que os compradores estejam muito satisfeitos com a fruta e com o facto de a campanha espanhola já ter começado”.

“Quanto aos preços, por enquanto estão altos, mas não há necessidade de reivindicar vitória; Agora há um défice de mirtilos no mercado, e não se sabe o que vai acontecer ao longo da campanha, embora todos digam que poderá ser bastante bom nos resultados devido à diminuição dos mirtilos que há em geral, não só aqui em Espanha devido à água, mas também em Peru devido ao fenômeno El Nino. As sensações, na verdade, são muito positivas.”

As previsões apontam assim para uma nova campanha com bons resultados. Vale lembrar que na campanha 2022/23, apesar de a produção ter tido uma queda de 16%, segundo dados do Andaluz, o volume de negócios do setor do mirtilo atingiu um novo recorde depois de crescer 2% em relação à temporada anterior, graças a um aumento significativo nos preços da fruta.

“O ano passado terminou bem nos preços”, confirma Higinio, “mas é verdade que este ano os custos de produção – dos fertilizantes à mão-de-obra – subiram e teremos de repassar esse aumento para a fruta”.

Greve nacional de agricultores e transportadores

No dia 1 de fevereiro, o setor dos frutos vermelhos de Huelva participou em conjunto numa grande manifestação que teve lugar em Sevilha, onde foi pedido às administrações andaluzas que implementassem em Huelva as infraestruturas necessárias à sustentabilidade de um dos mais importantes motores económicos da província.

“Claro que participei na manifestação e fá-lo-ei na greve que foi convocada a nível nacional à qual também aderiu o transporte. Os agricultores franceses conseguiram fazer-se ouvir paralisando o país e não vamos ficar parados. Algo tem que ser feito pela agricultura e é hora de fazê-lo.”

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

As geadas devastadoras causam perdas significativas de mirtilos nos U...
Sonho azul: Ucrânia bate recorde histórico de exportação de mirtilo...
José Antonio Gómez-Bazán, CEO da Camposol: qual o segredo do sucesso...