No primeiro trimestre de 2024

As exportações agrícolas peruanas apresentaram um crescimento de 8.7%

  • Totalizaram US$ 2 milhões e atingiram 388 países, cujo ranking foi liderado pelos Estados Unidos.
  • Os produtos agrícolas não tradicionais foram os mais notáveis, incluindo uvas, mirtilos, abacates e mangas.

Segunda-feira, 13 de maio-. As agroexportações peruanas (tradicionais e não tradicionais) nos primeiros 3 meses do ano totalizaram US$ 2 milhões, valor que indica um aumento de 388% em relação ao mesmo período de 8.7, indicou a Gerência de Agroexportações da Associação de Exportadores ( ADEX).

O agronegócio (com valor agregado) somou US$ 2 milhões, alcançando participação de 209% e aumento de 92.4%. Nesse sentido, a gerente de Agroexportações do sindicato, Claudia Solano Oré, saudou o anúncio do chefe do Ministério de Desenvolvimento Agrário e Irrigação (Midagri), Ángel Manero, que informou que o Executivo apresentará uma proposta de nova Lei de Promoção Agrária.

“Esta é uma iniciativa importante. A revogada Lei nº 27360 foi fundamental no desenvolvimento do setor, que até poucos anos atrás crescia a dois dígitos, foi possível diversificar a cesta, alcançar novos mercados e gerar empregos formais e descentralizados”, afirmou o representante sindical. .

Como parte do trabalho de promoção destes embarques, acrescentou, a ADEX realizou uma série de atividades, como o FDA Summit (em Lima e Trujillo), o 22º Almoço Agro-Exportador (Lima) e na semana passada a Semana do Gengibre (Satipo , Junín). Da mesma forma, a Expoalimentaria 2024, a mais importante feira de alimentação e bebidas do continente, terá lugar em setembro.

Os principais produtos agroindustriais (não tradicionais) foram a uva (US$ 449 milhões 328 mil) apesar de terem sofrido uma contração de -28.7%. Mirtilos (US$ 341 milhões 259 mil), abacates (US$ 218 milhões), mangas (US$ 189 milhões 336 mil) e outros grãos de cacau (US$ 78 milhões) também foram exportados, com aumentos de 119.2%, 65%, 2% e 108.4%, respectivamente.

Segundo dados do Sistema de Inteligência Comercial ADEX Data Trade, também foram expedidos espargos frescos ou refrigerados, outras frutas frescas, outras preparações para ração animal, páprica, banana, manga, quinoa, cebola, gengibre e biscoitos doces, entre outros.

No caso da agricultura primária (US$ 179 milhões 485 mil) cresceu 59.4%, com destaque para o café não descafeinado e não torrado (US$ 155 milhões 372 mil), outros açúcares refinados de cana ou beterraba (US$ 13 milhões 857 mil), fino ou pêlos comuns de alpaca ou lhama (US$ 2 milhões 595 mil), couros inteiros de bovinos (US$ 2 milhões 087 mil) e melaço de cana (US$ 1 milhão 758 mil).

Destino

A oferta agrícola peruana (tradicional e não tradicional) atingiu 115 mercados no primeiro trimestre do ano. Os principais foram EUA (US$ 791 milhões), Holanda (US$ 367 milhões), Espanha (US$ 151 milhões), México (US$ 120 milhões) e Chile (US$ 91 milhões), que aumentaram sua demanda. em 8.4%, 19.7%, 27.5%, 2.1% e 18.3%, respectivamente.

fonte
ADEX

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

“Na crise peruana, e agora no México, 80% é consequência da gestão...
A Fazenda Naturipe oferece frutas silvestres abundantes para os programas de frutas silvestres de...
Chile: Exportações de frutas atingem recorde histórico entre janeiro e...