Ferramenta web desenvolvida pela UF ajuda produtores de mirtilo a controlar doenças

A podridão dos frutos da antracnose afeta os mirtilos, especialmente na Flórida. Na verdade, é uma das doenças mais prejudiciais da fruta.

Para controlar a doença, os agricultores costumam pulverizar a cultura com fungicidas, mas regularmente, ou seja, a cada duas ou três semanas.

Então, alguns anos atrás, cientistas da Universidade da Flórida desenvolveram o Blueberry Advisory System, uma ferramenta para ajudar os produtores de mirtilo a combater a podridão de frutas por meio de um sistema de alerta.

Os pesquisadores agora têm provas de que o sistema funciona para ajudar a minimizar a podridão dos frutos e melhorar o rendimento das colheitas.

Quando as flores e os frutos estão se desenvolvendo, muitos agricultores usam um método baseado em calendário para pulverizar suas plantas para proteger contra a podridão. Com o Blueberry Advisory System, eles pulverizam quando a ferramenta envia alertas. As notificações são recebidas por mensagem de texto ou e-mail.

Os produtores também podem usar avaliações de risco para escolher se devem usar um fungicida menos caro ao enfrentar um risco moderado de doença ou um produto mais eficaz, mas também mais caro, durante períodos de alto risco.

“Vários produtores comerciais de mirtilo da Flórida relataram usar o Blueberry Advisory System para ajudar com o tempo de fungicidas para controlar a podridão da antracnose, usando a ferramenta baseada na web sozinha ou em combinação com os programas de pulverização dos próprios agricultores”, disse Doug Phillips, UF/ Coordenador de Extensão IFAS Blueberry State.

Clyde Fraisse, professor de engenharia agrícola e biológica da UF/IFAS, projetou o sistema Agroclimate que abriga esta e outras ferramentas de doenças. Natalia Peres, professora de fitopatologia do Centro de Pesquisa e Educação da Costa do Golfo da UF/IFAS, adaptou e avaliou os modelos de doenças usados ​​no sistema.

Peres descreve o sucesso do método em uma novo documento de extensão UF/IFAS .

"O sistema pode ser especialmente útil para ajudar novos produtores de mirtilo a identificar a doença e sua dinâmica", disse Peres. “Também pode reduzir o número de aplicações de fungicidas, especialmente quando adotada por produtores avessos ao risco”.

Ela e seus colegas de pesquisa avaliaram o sistema em nove fazendas de mirtilo espalhadas por Dade City (Condado de Pasco), Fort Lonesome (Condado de Hillsborough) e Labelle (Condado de Hendry).

Os resultados foram bons. O sistema notificou os produtores para pulverizar fungicida quando a podridão dos frutos era mais provável de se desenvolver e, na maioria dos casos, eles não precisavam pulverizar com tanta frequência.

Qualquer método que ajude a combater doenças é vital para os esforços dos agricultores da Flórida que cultivam mirtilos. A temporada (da floração à colheita) vai de dezembro a maio e inclui cerca de 5500 acres, com um valor anual de US$ 62 milhões.

Os mirtilos são mais suscetíveis à podridão dos frutos em climas quentes e úmidos, com temperaturas entre 59 e 81 graus. Combine essas condições com períodos de 12 horas de umidade das folhas e você terá as condições ideais para o desenvolvimento da podridão dos frutos.

Os dados para os modelos de podridão de frutas usados ​​pelo sistema vêm da Florida Automated Weather Network, que possui estações meteorológicas em todo o estado.

A chuva ou a irrigação por aspersão podem agravar o problema, espalhando o patógeno para frutas e plantas saudáveis, criando oportunidades adicionais de infecção. O patógeno também pode se espalhar quando os frutos se tocam e pela colheita de máquinas e equipamentos de classificação.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

A crise agroalimentar piora após sete meses de guerra no...

Family Farms vai importar 405.000 plantas de mirtilo do Chile por terra

Figuras de mirtilo no mercado dos Estados Unidos