Ricardo Polis: "Não podemos voltar atrás"

Ricardo Polis é formado em Engenharia Industrial e veterano na agroindústria sul-americana, com ampla experiência na gestão da produção e exportação de produtos frescos. Ele atuou como presidente da Associação de Guildas de Produtores Agrícolas do Peru (AGAP) e atualmente é o Diretor Regional para a América do Sul em Fall Creek Farm & Nursery, Inc.

Tenho 35 anos de vida ativa, 26 ligados à agricultura e os últimos 20 intimamente ligados à exportação de produtos agrícolas.

Tenho orgulho de ser uma testemunha desse “Milagre Agrícola” que o Peru fez neste século. Sim, Milagro Agrícola, assim nos contaram compradores internacionais e nossos concorrentes estrangeiros, surpresos: sul-africanos, argentinos, uruguaios, chilenos, brasileiros, australianos (todos produtores exportadores do hemisfério sul).

Tive a sorte de participar das últimas 16 feiras Fruit Logística em Berlim, a feira de frutas e vegetais mais importante do mundo, participei quando o Peru tinha um estande muito pequeno, acho que eram 6 mesas e 6 cadeiras, não éramos ninguém no mercado global. Hoje, o Peru tem um dos estandes mais importantes da Feira com mais de 500 metros quadrados, onde há fila para conversar e contatar muitos empresários peruanos (NÃO são 15 como diz um ex-ministro). Nesta feira não só expomos os nossos produtos frescos, mas também promovemos o nosso turismo, gastronomia e claro, o Pisco.

Somos tão importantes que fomos nomeados “PAÍS PARCEIRO OFICIAL”, título que a cada ano é dado aos países mais proeminentes do setor. (Este ano, fomos nomeados PAÍS PARCEIRO OFICIAL na feira de Hong Kong)

Lembro-me dos anos em que ofereci uvas, me disseram compradores internacionais, primeiro compro do Chile e quando vejo que falta produto compro de você. Isso foi revertido, alterado, deixamos de ser a substituição, o segundo curso. O Peru compete em pé de igualdade com o maior exportador mundial de uvas, nossos vizinhos do Chile. Nos mandarins, conseguimos deslocar nossos amigos argentinos e uruguaios do mercado britânico, o mercado mais exigente do mundo, compartilhando este mercado e lutando respeitosamente com a África do Sul.

Essa história se repete com muitos produtos onde no início deste século não éramos ninguém e agora estamos entre os primeiros exportadores do mundo nos produtos que exportamos.

Outro detalhe não menor é que quebramos paradigmas e demonstramos que no Peru é possível cultivar produtos que antes se pensava não crescer, como: uvas em Piura e mirtilos no litoral (hoje somos os primeiros exportadores do mundo )

Posso dizer com orgulho que a indústria agro-exportadora peruana é uma das melhores do mundo, é de classe mundial, onde todos os supermercados: chineses, russos, britânicos, canadenses, europeus e dos Estados Unidos, todos vêm para comprar no Peru. , mencione um nome e que o supermercado compra do Peru ... direta ou indiretamente.

A exportação trouxe ao Peru a implementação OBRIGATÓRIA de Boas Práticas Agropecuárias (GAP em inglês) e quais são? São o cumprimento das normas internacionais sobre: ​​boas práticas laborais, boas práticas ambientais, boas práticas na gestão do campo, entre outros, são o ISO da agricultura. Essas normas são tão exigentes quanto as leis impostas pelo estado peruano, são OBRIGATÓRIAS para os supermercados europeus e americanos exportarem e as certificações anuais devem ser aprovadas por empresas certificadoras internacionais de alto nível. No capítulo das boas práticas laborais, encontra-se a exigência de proporcionar boas condições de trabalho ao pessoal, o que implica: formação, serviços de higiene, regulação de horários, utilização de ferramentas de segurança, discriminação sexual ou racial, trabalho infantil, etc. etc.

Dizer que todas as empresas exportadoras maltratam o pessoal e que as condições de trabalho do século XIX são mantidas está longe da verdade. Se houver (não coloco minhas mãos no fogo por ninguém) empresas que não cumpram as normas peruanas, deixe o Estado peruano intervir e impor as multas correspondentes.

Não podemos incluir todos no mesmo saco e dizer que esta indústria é má, há muitas empresas que visitei e em todas tenho visto um verdadeiro empenho com o seu pessoal, NÃO SÓ são 15 empresas.

Muitas vezes temos convidado diferentes políticos a nos visitarem, podendo escolher a empresa que desejam visitar e virem conhecer a realidade, algo de que todos devemos nos orgulhar. A resposta era sempre a mesma: "Eu sei e não tenho tempo." Eles nunca foram. Hoje, há políticos que falam bem, com total ignorância da realidade, com muitas mentiras e pessoas que repetem sem saber.

Estamos destruindo uma história de sucesso, inveja de nossos países concorrentes.

Percorremos um longo caminho, não podemos voltar atrás.

fonte
Ricardo Polis - Fall Creek

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Freshuelva trata do problema do acondicionamento e do seguro das frutas ...

Peru: a evolução de uma super marca

Produção de mirtilo no México cresce 5 anos consecutivos