O porto de Jacksonville, na Flórida, oferece suas instalações para aliviar o congestionamento portuário nos EUA.

No entanto, surgem dúvidas devido à escassez generalizada de motoristas, caminhões, chassis e pontos de armazenamento no país

A Autoridade Portuária de Jacksonville, Flórida, disse que é a solução para o congestionamento sem precedentes nos portos de Los Angeles e Long Beach (LA-LB), Califórnia, onde as filas de semanas estão retardando o comércio antes do Natal., relatórios Correio diário.

Segundo funcionários do porto de Jacksonville, manteve o terminal fluido - e bateu recorde de volume de contêineres - apesar das interrupções do mercado - de mobilização de contêineres em maio, com 129.000 mil TEUs.

O presidente do conselho de portos da Flórida, Michael Rubin, disse que podem agilizar o movimento de navios de carga desviando navios de contêineres pelo Canal do Panamá, uma jornada de sete dias do sul da Califórnia ao norte da Flórida. Jacksonville, o maior porto de contêineres da Flórida em volume, movimentou um recorde de 1,4 milhão de contêineres durante o último ano fiscal, encerrado em setembro.

“Temos a oportunidade de fornecer às companhias marítimas e aos proprietários de cargas uma rota mais eficiente que pode levar seus produtos não apenas ao terceiro maior mercado doméstico do país, mas também a outros mercados fora da Flórida, em dois dias Rubin disse à ABC Action Notícia.

O Marine Exchange of Southern California relatou que 100 navios permaneceram na excursão em 18 de outubro fora dos portos de LA-LB, batendo o recorde anterior de 97, estabelecido em 19 de setembro. Ambos os números são notavelmente mais altos do que na era pré-pandemia, quando havia apenas 17 navios fundeados.

Motoristas, caminhões e chassis

No entanto, a oferta levantada no porto de Jacksonville, na Flórida, levanta dúvidas quanto à disponibilidade de caminhões, motoristas e tripulações para descarregá-los.

Por exemplo, na Califórnia, especialistas acreditam que um maior número de motoristas não amenizará o atraso, já que a prioridade que as companhias marítimas priorizam na recarga rápida de contêineres vazios, o que tem absorvido a capacidade de caminhões e espaços nos portos e armazéns, evitando que contêineres cheios sejam distribuídos para o interior e cheguem aos consumidores.

Seja como for, os salários dos caminhoneiros dispararam em cerca de 20%, à medida que as empresas trabalham para atrair recém-chegados ao setor e o setor está usando todas as ferramentas à sua disposição para tentar fazer com que os motoristas entrem e saiam.

 

Mas os contêineres vazios não estão apenas ocupando espaço, mas também impedindo que os caminhoneiros soltem seus chassis (equipamentos necessários para carregar os contêineres nos reboques), que nessas circunstâncias são obrigados a manter os contêineres em seus próprios lotes, tendo que pagar às companhias marítimas uma taxa diária entre 40 e 50 dólares por não os devolverem no prazo.

A situação é tal que até se observou que nos bairros de Los Angeles, onde os caminhões ficam parados o dia todo, às vezes os reboques são simplesmente desmontados na rua,

Em 20 de outubro, o governador Gavin Newsom assinou uma ordem executiva direcionando as agências estaduais a buscar maneiras de aliviar o congestionamento nos portos, incluindo a identificação de propriedades estaduais e outros locais que poderiam ser usados ​​para armazenamento de contêineres.

Embora o COO da TGS Logistics, Robert Loya, tenha gostado da notícia, ele disse que não estava claro quem pagaria pelo armazenamento dos contêineres vazios.

Ele explicou que isso fez com que pequenas empresas americanas afundassem porque essas grandes companhias marítimas estrangeiras estão controlando o porto e a economia americana.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Freshuelva trata do problema do acondicionamento e do seguro das frutas ...

Peru: a evolução de uma super marca

Produção de mirtilo no México cresce 5 anos consecutivos