Marín (Eucofel): “O setor hortofrutícola tem mais futuro do que presente”

“O setor de frutas e hortaliças tem mais futuro do que presente”, diz o presidente da Eucofel, Juan Marín, da Espanha, em entrevista à Efeagro em que faz um balanço da situação na Europa e na Espanha e fala sobre o aumento do consumo pela pandemia. entre outras questões.

Efeitos da pandemia

Marín, como defensor dos interesses dos produtores de frutas e legumes da União Europeia (UE), está convicto de que esta atividade não deve perder competitividade e, para isso, confia que os fundos do Mecanismo de Recuperação e Resiliência o ajudarão a realce isso.

Em entrevista à agência Efe, Marín explicou que, em sua opinião, o covid-19, "obrigou a agricultura a se reinventar para abastecer o mercado com segurança no trabalho", deixou claro que "a Europa não precisa depender de países terceiros para se alimentarem. '

“A pandemia deixou sua marca no consumo”, ressalta, após afirmar que “entre os grandes beneficiados estão as redes de distribuição na Europa, que encontraram um nicho de novos clientes”.

A demanda por alimentos saudáveis

A demanda por produtos saudáveis ​​impulsionará uma próxima campanha promocional que a Eucofel realiza desde 2019 para promover o seu consumo por meio dos programas CuTE.

Marín destaca frutas e legumes europeus e critica a falta de maior controle nas fronteiras comunitárias das remessas de terceiros países, “aos quais não se aplicam as mesmas regras do jogo”.

Marín também lamenta que a atividade agrícola seja usada como "moeda de troca" na assinatura de acordos da UE com países terceiros, mas espera que o governo de Joe Biden leve a maiores exportações europeias para os Estados Unidos.

O que ele acredita ser uma batalha perdida no curto e médio prazo é que o veto russo, em vigor desde 2014, à entrada de frutas e hortaliças comunitárias seja revertido, já que a Eucofel não teve resposta da Comissão Europeia às suas exigências para isso estão lançadas as bases para tentar mudar a situação atual.

Consequências do Brexit

Sobre a saída do Reino Unido da UE, ele lembra que, desde 1º de janeiro, os produtos perecíveis europeus "entram no mercado britânico normalmente", mas que, após o estoque em dezembro, os custos de transporte aumentaram.

“Os caminhões com frutas e verduras chegam da UE cheios para o Reino Unido e voltam vazios, e agora estamos na guerra de quem paga esse aumento de custo, se o consumidor britânico, o importador ou o produtor”, que é contundente ao afirmar que “o agricultor tem que ter sua margem garantida e não pode vender abaixo do custo”.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Dia Mundial das Abelhas se concentra na proteção de polinizadores

Linhas de batalha desenhadas para o confronto da taxa de envio

A Westfalia aumenta as credenciais verdes ao obter o credenciamento do CAR...