Empresas andaluzas que exportam para o Reino Unido aumentam 7,8% até setembro

Investimento produtivo de Reino Unido destinadas à comunidade triplicou no primeiro semestre de 2020 e o número de Empresas andaluzas que exportam o território britânico aumentou 7,8% ano a ano até setembro. Estas são algumas das principais conclusões que emergem do Relatório de Acompanhamento do Brexit na economia andaluza apresentada ao Conselho de Administração pelo Ministro da Transformação Económica, Indústria, Conhecimento e Universidades da Junta de Andalucía, Rogelio Velasco.

De acordo com o relatório do Ministério da Transformação Econômica, até setembro, as exportações de produtos agroalimentares (8,3% ano-a-ano) têm sido positivas, principalmente mirtilos, azeite e tomate. Perante isto, as vendas de produtos energéticos diminuíram notavelmente (43,9%), numa situação de queda dos preços do petróleo nos mercados internacionais (37% homóloga entre Janeiro e Setembro). Os semimanufaturados também caíram (29,7%), com destaque para cimento, concreto ou pedra artificial; e vendas do setor automobilístico (39,9%), com destaque para caixas de câmbio e suas partes.

A crise sanitária e económica da Covid-19 tem provocado quedas intensas e generalizadas do PIB em todo o mundo, especialmente no segundo trimestre do ano, devido às restrições à mobilidade e ao encerramento de atividades que isso implicou. De acordo com o relatório, na União Europeia o PIB é diminuiu 7% ano a ano entre janeiro e setembro, embora a queda sofrida no Reino Unido tenha sido ainda maior, de 11%. Esta contração econômica e a paralisação dos setores produtivos foram transferidas para as relações econômicas e comerciais com a Andaluzia, com diminuições no
recepção de turistas e exportação.

Neste contexto desfavorável, de janeiro a junho de 2020, o investimento produtivo na Andaluzia feito pelo Reino Unido multiplicou-se por três, atingindo o 18,3 milhões, em contexto de forte queda (23,7%) do capital estrangeiro como um todo, que registrou um volume de 252,7 milhões no período. Em 2019, os projetos empresariais originários do território britânico que desembarcaram na região ascenderam a 36,9 milhões, montante que representa um acréscimo de 84% face aos 20,1 milhões registados em 2016, ano em que foi produzido. o referendo sobre a saída da UE. No período 2016-2019, o investimento estrangeiro global na comunidade também cresceu amplamente, em 81%, de 471,2 para 853 milhões.

O número de empresas andaluzas que vendem para o território britânico aumentou 7,8% ano-a-ano até setembro, situando-se em 1.087 empresas. Esse comportamento contrasta com a expressiva redução de -10,6% aplicada ao conjunto de empresas da região que exportam para o mundo, que ficou em 18.459. Ao final de 2019, o tecido empresarial com vocação exportadora para o Reino Unido estava implantado em 1.116.

Entre 2016 e 2019, o número de empresas exportadoras andaluzas para as Ilhas Britânicas caiu ligeiramente (0,4%) -de 1.121 para 1.116-, num contexto de forte aumento de 22,8% do número total de empresas exportadoras, que passa de 20.827 em 25.576.

Exportações e importações

No relações comerciais com o Reino Unido, destaca a intensificação da queda já iniciada no final do ano anterior devido às importações de bens e serviços pelo mercado britânico, que caíram 21,5% ano-a-ano entre janeiro e setembro de 2020, com quedas em ambas as compras de bens (20,6, 23,9%), como nos serviços (XNUMX%).

Em um contexto de forte desaceleração do comércio mundial em 2020, as exportações de mercadorias da Andaluzia para as Ilhas Britânicas caíram 5% ano-a-ano entre janeiro e setembro, atingindo 1.442 milhões de euros, bem abaixo da queda registrada nas vendas totais da comunidade para o exterior (14,5%).

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

A 5ª temporada de Better with Blueberries começa na Argentina

Cientistas peruanos recuperam e estudam mirtilos selvagens nativos de ...

Chile: cresce a exportação nacional de frutas para a China e em Biobío há alta ...