Jorge Valenzuela Trebilcock, presidente da Fedefruta: "A indústria mundial de frutas é modernizada e corremos o risco de ficar de fora"

As baixas margens de rentabilidade das principais culturas chilenas, incluindo mirtilos, uvas e maçãs, não permitiram que nosso setor se renovasse contra a concorrência de outros países que adotaram as tecnologias mais sofisticadas.

A fruticultura nacional precisa de cerca de 600 milhões de dólares por ano para modernizar seus pomares obsoletos com espécies e variedades atraentes para os mercados internacionais. Isso traria melhorias tecnológicas que tornariam os processos mais eficientes para o produtor, por isso precisamos de uma lei que facilite o financiamento para essa tarefa urgente.

Em nossas reuniões com autoridades econômicas e agrícolas, propusemos a estruturação de uma Lei para a Promoção da Reconversão de Frutas, uma vez que precisamos de financiamento para a renovação das plantações para ser uma política do Estado, por meio dessa lei que resgata o espírito prático e de promoção do DL701, que impulsionou o desenvolvimento do setor florestal, e que define parâmetros para governar o desenho de créditos com taxas e condições de pagamento de acordo com os processos produtivos do campo.

Essa lei seria muito benéfica para situações como beterrabas afetadas pelo fechamento de Iansa e que devem ser alteradas para outras culturas. Também para os agricultores do sul do Chile que planejam se converter à fruticultura, os uveros do norte que estão em crise devido aos retornos da variedade Chama, os manzaneros da zona centro-sul que tiveram seus lucros diminuídos com a passagem de tempo e falta de renovação, ou os cranberries Ñuble que buscam solucionar seus principais desafios de fornecimento aos mercados.

Essa conversão envolve processos além da rotação de variedades ou espécies. A tecnologia nos pomares de frutas varia da mesma espécie ou variedade que deseja ser replantada, até o maquinário que será usado nas semanas de colheita. Todo esse espaço que queremos cobrir com a nossa proposta, para inserir a mais recente tecnologia nas instalações e processos. É preciso buscar processos eficientes através da modernização dos pomares, que são mais compactos, com outras densidades, que são pedestres e mecanizáveis.

Hoje existe uma dinâmica de modernização da indústria mundial de frutas e corremos o risco de ficar de fora. Somos cada vez menos atraentes comercialmente para os grandes supermercados asiáticos e americanos, que encontram frutas mais demandadas pelos consumidores em outros lugares; portanto, devemos reagir e investir na reconversão, antes que nossos volumes estejam em segundo plano no show internacional.

Jorge Valenzuela Trebilcock

Ele é o presidente da Federação de Produtores de Frutas do Chile (Fedefruta), no período de 2018 a 2020. É engenheiro agrônomo da Universidade do Chile e possui MBA pela Universidade Adolfo Ibáñez.

Ele ocupou o cargo de vice-presidente da Fedefruta nos últimos quatro anos e membro do conselho desde 2012, quando ingressou como segundo vice-presidente, embora já tivesse participado anteriormente do Conselho da Guilda.

O líder sindical é produtor de cerejas e nozes em Malloa e diretor executivo da Nueva Vid, uma empresa de viveiro na região de O'Higgins, especializada na produção e comercialização de viveiros enxertados. Além disso, ele é dono da Agrícola Natividad, viveiro de nozes e parceiro da Plantae, o primeiro exportador de frutas do Chile.