Seminário Internacional de Blueberry foi realizado no Chile

Seminário Internacional Blueberry foi realizada em chilechile, o número um do mundo exportador de mirtilos, realizada na quinta-feira, agosto 28th, o "Primeiro Seminário Internacional Blueberry: Novas tendências técnicas e comerciais da indústria", conectando os atores da indústria para compartilhar suas experiências . Cerca de 350 participaram do evento, organizado pela Blueberrieschile.cl e pelo laboratório internacional AGQ.

Segundo estimativas do Euromonitor, o volume de blueberries subirá 40% para 2018, superando a marca de um milhão de toneladas. Essa é a razão pela qual a indústria no Chile está propondo esse tipo de iniciativa. Neste encontro realizado perto da capital chilena Santiago, produtores, exportadores, consultores, empresas de serviços e especialistas da China, Estados Unidos, Espanha, México, entre outros, compartilharam realidades nacionais e internacionais, bem como estabeleceram novas relações comerciais.

Os tópicos abordados durante a conferência incluíram diferentes áreas da indústria do mirtilo, tais como oportunidades de negócios em diferentes mercados, manipulação produtiva orientada para a qualidade, nutrição vegetal, as melhores opções de tecnologia e insumos agrícolas.

Pesquisadores da Universidade do Chile e da Universidade de Talca, juntamente com representantes de centros nacionais de pesquisa, apresentaram suas pesquisas em pragas e doenças, procedimentos de pré e pós-colheita e otimização pós-colheita, entre outros.

Especialistas internacionais da Espanha, México e Estados Unidos compartilharam suas experiências em fertilização, irrigação e manutenção, gerenciamento e aplicação de tecnologia para a produção de mirtilos, destacando elementos que são úteis para a indústria. Segundo Jorge Esquivel, CEO da Blueberrieschile.cl, os organizadores estão avaliando repetir o seminário todos os anos e fazê-lo crescer internacionalmente.

Exportações chilenas em números

De acordo com a Sra. Claudia Chaparro, diretora regional da agência de promoção de exportação do governo ProChile, a massificação do mirtilo devido a suas propriedades de saúde levou a um crescimento de sua produção no Chile por cerca de 30% ao ano. Isso converteu o Chile no segundo produtor de mirtilos do mundo, com mais de 10 mil hectares plantados ao longo do país. "Agora, podemos destacar o Chile como líder mundial em exportações de blueberries frescas. No final da 2013, exportamos mais de US $ 474 milhões, o que significa 31% das exportações mundiais ", disse ela.

O Chile exporta 81% de blueberries do Hemisfério Sul, e as variedades mais populares são Duke, Briggita, O'neal, Legacy e Elliot, conta o Sr. Esquivel. "Nesta temporada 2013 / 2014, o preço dos nossos blueberries aumentou 10% em comparação com a temporada anterior, atingindo um preço médio de 9,4 USD / Kg", afirma.

A empresa de consultoria IQonsulting projeta crescimento de 5,4% na superfície plantada para a 2016. Segundo Esquivel, esse aumento ajudará na segurança alimentar, mas a qualidade desse volume ajudará a indústria a crescer com sucesso a longo prazo. "Outro fator positivo será a recuperação da moeda para os produtores e a indústria em geral, portanto, esperamos que os preços se mantenham estáveis".

Cooperação público-privada

Tanto o setor público como o privado estabeleceram uma agenda de cooperação para a execução de diversos projetos de promoção, como explica Chaparro. Desta forma, a ProChile e o Comitê de Mirtilo da Associação de Exportadores de Frutas do Chile (ASOEX) vêm trabalhando juntos por meio da marca setorial “Blueberries from Chile”, a fim de desenvolver estratégias para posicionar o mirtilo chileno nos mercados de destino.

O Sr. Andrés Armstrong, Diretor Executivo do Comitê Chileno de Blueberry, disse a Guojiguoshu que a China é um mercado promissor para mirtilos chilenos, mas é necessário melhorar a conscientização do consumidor sobre esta fruta, bem como criar preocupação entre os varejistas sobre a manipulação das cadeias de frio, manter a fruta sempre fresca e preservar sua alta qualidade. "Queremos fazer negócios com a China nesta e nas próximas temporadas", disse ele.

 

Fonte: Guojiguoshu Médio

Notícias originais: http://www.guojiguoshu.com/article/571

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Marcela Zúñiga, de Viveros Sunnyridge: Os produtores que ainda têm ...

Professor Jorge Retamales: Se houvesse uma capitalização de US $ 4000 milhões ...

Julian Beaver, da Korvan Chile Ltda.: “A primeira vantagem da colheita ...