EUA e Europa: Contêineres demoram o dobro para chegar ao destino

A MasContairner destaca que, desde o surgimento da pandemia de Covid-19, o transporte marítimo continuou a sofrer interrupções, o que resultou em longos atrasos na chegada da mercadoria ao seu destino final por via marítima. Embora a situação nos terminais e serviços intermodais tendesse a estabilizar no final de 2021, a verdade é que já se encontra em novos picos e continua a agravar-se, sobretudo nos Estados Unidos e na Europa.

Assim, segundo um estudo realizado pela Flexport, nas ligações transpacíficas um contentor demorava entre 45 e 50 dias a completar a viagem até ao porto de destino, mas segundo a última medição, realizada a 2 de janeiro de 2022, agora a média é de 110 dias.

O congestionamento portuário e os gargalos que estão ocorrendo nos portos são problemas que, longe de desaparecerem, estão se agravando. De facto, a situação nas rotas entre a Ásia e a Europa é muito semelhante, tendo passado de uma média entre 55 e 60 dias para os atuais 108.

Este forte aumento nos tempos de trânsito também aumentou a demanda por contêineres em proporção semelhante. Nesse sentido, enquanto antes da pandemia cerca de 2% da capacidade dos navios porta-contêineres poderia sofrer atrasos nas entregas, agora o número subiu para 11% segundo a Sea-Intelligence.

Por seu lado, um relatório da entidade bancária Jefferies garante que os congestionamentos e as ineficiências portuárias continuarão a ser a tendência habitual em resultado da redução da velocidade dos navios, desvios para outros portos, contentores que ficam presos e não circulam, e aumento do tempo de descarga.

O Covid-19, por sua vez, continuará impulsionando os gastos dos cidadãos com novos itens e as taxas de envio podem quebrar um novo recorde nas próximas semanas.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

“Segregação e controle, controle e mais controle…”

Driscoll's concorda com os termos da aquisição da Berry Gardens

Análise do panorama mundial da produção de mirtilo