Cristián Balbontín sobre mirtilos no Chile: "Se queremos ser os melhores produtores em termos de qualidade de frutas, precisamos desenvolver tecnologia"

O agrônomo está criando uma formulação com indutores hormonais para aumentar a resistência do mirtilo à seca e, ao mesmo tempo, melhorar a qualidade de seus frutos.

Há mais de 10 anos se estende o período da chamada megaseca que afeta as regiões centro-sul do Chile. Nesse mesmo período, o mercado de mirtilo passou por uma mudança radical com a expansão das lavouras sem frio, o boom da produção peruana e o aumento da oferta varietal que, devido à concorrência comercial, lança periodicamente novas variedades com qualidades melhores, diferentes ou novas. 

É neste cenário que Cristián Balbontín realizou uma investigação sobre o uso de indutores hormonais; ácido abscísico (ABA) e metil jasmonato (MeJA) em cerejas, para avaliar seu efeito sobre o seu desdobramento causado por chuvas que, de forma irregular, podem ocorrer durante o período de maturação e colheita. O uso desses indutores aumentou a expressão de genes relacionados à síntese de cera, bem como a presença de alcanos de cadeia longa, que são os que conferem maior impermeabilidade à cutícula.

Junto com isso, também foi observada melhora na qualidade dos frutos, em termos de firmeza, sólidos solúveis e cor. 

Tanto as cerejas como os mirtilos têm mecanismos semelhantes de amadurecimento dos frutos, em termos de fitohormonas envolvidas neste processo, que são precisamente o ABA e o MeJA. Esses hormônios estão associados a uma série de processos fisiológicos nas plantas, incluindo a adaptação a condições de estresse (sais, falta de água, radiação). Considerando as semelhanças entre as duas espécies e o papel desses hormônios, o engenheiro e PhD se propuseram a testar suas formulações em mirtilos com um objetivo em mente: fortalecer sua tolerância ao estresse hídrico.

O pesquisador do Instituto de Pesquisa Agropecuária (INIA) trabalhou em conjunto com a empresa MipAgro e com o apoio do Governo Regional de Maule, para desenvolver um produto para aplicação foliar. Em laboratório, avaliaram a aplicação de diferentes formulações hormonais em plantas de mirtilo que mantiveram uma suplementação hídrica de 100%, 50% e 25% de sua capacidade de campo para testar sua resposta fisiológica. Foram selecionadas as duas formulações com melhores resultados nos indicadores fisiológicos de plantas sob condições de estresse, aumentando a tolerância da planta à limitação da suplementação hídrica. 

"Tão importante quanto conseguir uma melhor resposta da planta a essas condições de estresse é que os frutos mantenham a qualidade ideal", disse o Sr. Balbontín. Por isso, abordou a avaliação do efeito das formulações previamente selecionadas sobre as características organolépticas dos frutos em um pomar na cidade de Parral, região de Maule, com os mesmos regimes de suplementação hídrica. 

Diferentes variáveis ​​relacionadas à qualidade dos frutos foram medidas. Por exemplo, o diâmetro do fruto é especialmente afetado pela baixa disponibilidade de água, como pode ser visto no gráfico 1. A falta severa de suplementação hídrica pode afetar pelo menos 10% do tamanho do fruto. No entanto, embora o uso de formulações não tenha afetado esse parâmetro em plantas bem regadas, foi capaz de manter valores semelhantes aos do grupo controle em condições com 50% menos água. 

O composto provou ser eficaz em aumentar a resistência da planta de mirtilo à seca e também melhorar a firmeza, sabor e tamanho dos frutos.

A falta de água faz com que a planta feche parcial ou completamente seus estômatos para evitar o vazamento de água, limitando a entrada de CO2 em seu sistema. Isso faz com que haja menos energia na planta, menos açúcares, a produção da planta seja reduzida para as estações atuais e futuras, e a qualidade de seus frutos diminua.

Os indutores hormonais, principal componente do produto, são o ácido jasmônico e o ácido abscísico, elementos que são produzidos naturalmente pela planta para iniciar mecanismos de defesa em situação de estresse. Ambos os compostos já fazem parte de alguns produtos para outras frutas, que são sintetizados artificialmente e depois aplicados sem afetar a segurança da produção. 

O efeito combinado do ácido jasmônico e do ácido abscísico permite que a planta ative sistemas de defesa que pesquisas mostraram ser eficientes para evitar as consequências da seca. O ácido jasmônico aumenta a tolerância à seca, sais, congelamento e aumenta o acúmulo de antocianinas. Além disso, contribui para a degradação da clorofila, cuja concentração aumenta em plantas desidratadas.

Por fim, o ácido abscísico induz um aumento na produção de ceras, que atuam como uma camada impermeável, permitindo que os estômatos se abram para absorver o CO2, sem que a planta perca muita água. Além disso, a cera reflete os raios do sol, contribuindo para diminuir sua temperatura.

Os resultados da pesquisa realizada pelo Dr. Balbontin em conjunto com a MipAgro nos permitiu observar que o percentual de frutos moles aumenta à medida que a campanha avança, observando que na primeira colheita esse valor chega a 5%, porém 

Na quarta safra esse valor é aumentado para 35% do total colhido. A utilização de indutores hormonais permite melhorar a firmeza dos frutos posteriores, baixando esta percentagem para 8%, nos melhores resultados.

Isso não só permitiu concluir que os indutores auxiliam na tolerância à seca, mas também melhoram a qualidade dos frutos em casos de completa reposição hídrica e déficit. 

Diante dos resultados promissores, a Blueberries Consulting conversou com Cristián Balbontín sobre o futuro de seu produto e da indústria de mirtilo no Chile.

Como você acha que será o cenário futuro da seca para os mirtilos? Com que estratégia esse cenário deve ser enfrentado?

Temos que observar a tendência dos últimos 12 anos e como a contribuição da água diminuiu ou a isotérmica aumentou, então temos menos depósitos de neve. É muito improvável que essa condição melhore enquanto tivermos o fenômeno La Niña, que se tornou muito mais persistente. Esse cenário exigirá que nos concentremos em produzir com precisão. Há uma série de fatores que precisam ser estudados para sabermos efetivamente o quanto temos para contribuir, o que a planta está gastando e o que ela precisa produzir. Portanto, é preciso ser mais preciso no uso dos recursos e apontar estratégias que nos permitam aumentar a qualidade dos frutos tanto na colheita quanto durante o armazenamento.

Já que você menciona a pós-colheita, você estudou o comportamento dos frutos tratados durante esta fase produtiva?

Este ano avaliaremos a qualidade dos frutos tratados com esses indutores durante o armazenamento, porém nossa hipótese é que se tivermos uma melhor qualidade na colheita, ela poderá ser mantida. Isto é apoiado pela nossa experiência com cerejas, onde a síntese de compostos cuticulares na fruta é aumentada, tornando-a mais tolerante à desidratação. E que por outro lado, graças a este aumento em termos de firmeza e acidez, poderão manter a sua condição por mais tempo.

Que estratégia devemos seguir para nos preparar para a seca e não reparar suas consequências?

É uma questão complexa, mas acredito que está sendo feito um trabalho valioso no sentido de aumentar a eficiência do uso da água, por meio do uso de substratos, por exemplo, ou avaliar o uso de coberturas nas lavouras. Mais pesquisas são necessárias para apoiar a indústria e os produtores nacionais. Acredito que instâncias como os seminários Blueberries Consulting, por exemplo, dão a opção de conhecer os novos avanços que estão sendo feitos em diferentes áreas. Há muitos profissionais fazendo pesquisas sobre a eficiência dos compostos nutricionais; estratégia de irrigação, colheita ou pós-colheita; do comportamento das variedades e dos sistemas de produção. A pesquisa está em andamento e mais pesquisas são necessárias. Portanto, é necessário um olhar mais atento em termos da importância da pesquisa para apoiar o desenvolvimento.

Uma das qualidades do ácido abscísico era que aumentava a resistência à salinidade. A formulação investigada poderia ser útil considerando o futuro uso e obtenção de água?

Precisamos explorá-lo. Isso tem potencial, mas são necessárias mais pesquisas sobre isso. Tanto o estresse salino quanto o estresse hídrico têm mecanismos celulares semelhantes. É muito interessante avaliar em que faixas a água salinizada pode ser utilizada, sem afetar a qualidade dos frutos e a vida da planta. Acredito que os indutores hormonais que testamos também poderiam ser avaliados nessa condição. 

Em tempos de crise, pode ser difícil investir em ciência que não dê resultado imediato. Se queremos ser os melhores produtores em termos de qualidade da fruta, precisamos desenvolver tecnologias que o visem. Precisamos criar essa imagem de que o Chile é uma fruta de qualidade, e para isso precisamos implementar, investigar, desenvolver mais coisas aqui.

fonte
Catalina Pérez Ruiz - Consultoria Mirtilos

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

A Freshfel Europe defende a competitividade do setor dos produtos frescos...

Projeto de robótica aponta para uma 'mudança de mar' no p...

A crise agroalimentar piora após sete meses de guerra no...