Chile: O impacto dos micro e nanoplásticos nos agroecossistemas é investigado por um especialista da UDEC Agronomia

Identificar e quantificar micro(nano)plásticos em plantações de morango e avaliar os impactos dos microplásticos nas propriedades do solo e no desempenho das plantas para explorar o efeito do tipo e dose de microplásticos presentes nos solos e sua combinação com outros poluentes, são alguns dos objetivos propostos pelo acadêmico do Departamento de Solos e Recursos Naturais da Faculdade de Agronomia, Dr. Mauricio Schoebitz Cid, que recentemente recebeu recursos do Fondecyt Regular, no valor de 228 milhões de pesos.

A pesquisa terá duração de 4 anos, pois, conforme explicou o especialista, o projeto estudará o efeito dos microplásticos na microbiota do solo e o impacto no crescimento e acúmulo de substâncias bioativas em plantas de morango.

“Nos agroecossistemas, os microplásticos (MPs) podem entrar no ambiente do solo diretamente (lodo de esgoto, águas residuais, deposição atmosférica) ou indiretamente através da degradação in situ de fragmentos plásticos (coberturas plásticas, tubos de água). , coberturas de estufas, viveiros e sacos de silagem ). As coberturas plásticas ou “mulch” têm sido uma prática mundial nos últimos anos na agricultura, pois as coberturas plásticas geram efeitos supressores sobre as plantas daninhas, modificam a temperatura do solo, a umidade e promovem maior produtividade e qualidade do fruto. No entanto, essas práticas produzem uma grande contaminação do solo que, consequentemente, afeta o crescimento das plantas”, explicou Dr. Schoebitz.

De acordo com o que foi referido pelo especialista, o uso excessivo de plásticos na agricultura fez com que muitos solos fossem contaminados com grandes quantidades de resíduos plásticos. “Estamos falando de (63-430.000 toneladas na Europa e 44-300.000 toneladas na América do Norte) e até mesmo concentrações de até 7% do peso de MPs foram relatadas em solos superiores altamente contaminados. Vários estudos, na área da agricultura, têm demonstrado que os PMs podem ter efeitos adversos no solo, na fauna, nos microrganismos do solo e podem atuar como vetores de outros poluentes, como patógenos humanos, poluentes orgânicos persistentes e metais pesados”.

Nesse sentido, sustentou que dentro das primeiras tarefas, considera-se a extração e identificação de PMs em campos de morango, por meio de Microscopia Infravermelha Transformada de Fourier (FTIR) e serão quantificados por meio de espectroscopia no infravermelho próximo para monitorar PMs em solos com a fim de avaliar os efeitos físicos e químicos do solo.

Participarão como coinvestigadores da pesquisa os seguintes acadêmicos: Nelson Zapata, María Dolores López, ambos da Faculdade de Agronomia, Juan Araya da Faculdade de Farmácia da UdeC, Milko Jorquera da Engenharia, Ciência e Administração da Universidad de la Frontera e o professor Antonio Roldán do CEBAS-CSIC da Espanha.

Além disso, o pesquisador principal, Dr. Mauricio Schoebitz, contará com a colaboração dos alunos do Laboratório de Microbiologia do Solo, Gustavo Riveros (Doutor do Programa de Ciências Agronômicas), Andrés Pinto (Mestrado do Programa de Ciências Agronômicas) , Vanessa Flores (estudante de graduação em Agronomia) e Cristóbal Sáez (estudante de graduação em Agronomia).

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Dia Mundial das Abelhas se concentra na proteção de polinizadores

Linhas de batalha desenhadas para o confronto da taxa de envio

A Westfalia aumenta as credenciais verdes ao obter o credenciamento do CAR...