Chile: Exportações de frutas atingem recorde histórico entre janeiro e abril de 2024

De janeiro a abril de 2024, exportações de frutas Atingiram 1,5 milhões de toneladas (+3,8%) só superadas em 2018 e em valor atingiram o recorde histórico de USD 4.441 milhões FOB (+7,2%), aumentando pelo quarto ano consecutivo em relação ao mesmo período. ano, conforme anunciado pelo Secretaria de Estudos e Políticas Agrárias (Odepa).

As cerejas concentrou 46,1% dos embarques, o uvas 18,9%, mirtilos 11,2%, ameixas 8,3% e o maçãs 3,3%. Do total exportado, 88% corresponderam a remessas de frutas frescas, 10,8% a frutas processadas (congeladas, desidratadas, conservas, sucos e óleos) e 1,2% a frutas secas. O Fruta fresca somaram embarques de 1,3 milhão de toneladas (+3,6%), avaliados em US$ 3.908 milhões FOB (+8,0%). As cerejas representaram 52% destas remessas em termos de valor, seguidas pelas uvas (20,1%), mirtilos (10,6%), ameixas (7,5%) e nectarinas (3,3%). De acordo com fruta processada, The congelado concentrou 4% do valor total com exportações de 57,7 mil toneladas (+31,5%) por US$ 172 milhões FOB (+32,1%), as principais frutas exportadas nesta categoria foram mirtilos (38,7%), morangos (25,4%), framboesas (11,0%), amoras (8,9%) e outras frutas (7,1%)

Segundo a Odepa, o desidratado Representaram 2% do valor total com embarques de 34,9 mil toneladas (+19,4%) por US$ 109 milhões FOB (+12,3%). As principais frutas exportadas nesta categoria foram ameixas (60,9%), uvas (25,7%), maçãs (6,3%), outras frutas vermelhas (3,5%) e outras frutas (1,9%). As conserva Representaram 2% do valor total com embarques de 57,7 mil toneladas (+2%) por US$ 105,9 milhões FOB (-6%). As principais frutas exportadas nesta categoria foram outras frutas (33,6%), pêssegos (28,3%), maçãs (20,4%), mirtilos (8,1%) e cerejas (5,8%).

Os sucos Representaram 2% do valor total com embarques de 25,2 mil toneladas (-2%) por US$ 68,7 milhões FOB (+2,2%). As principais frutas exportadas nesta categoria foram uva (37,6%), maçã (21,3%), outras frutas (21,1%), mirtilo (9,6%) e ameixa (8,2%).

Os oleos Representaram 1% do valor total com embarques de 2,6 mil toneladas (-9%) por US$ 23,6 milhões FOB (+34,8%), as principais frutas exportadas nesta categoria foram azeitonas (91,6%), outras frutas vermelhas (4,4%) , outras frutas (2,4%) e abacate (1,5%). O frutos secos correspondeu a 1% do valor total com 12,5 mil toneladas (-46,1%) por US$ 53,5 milhões FOB (-45,9%), as principais frutas exportadas nesta categoria foram nozes (55,9%), avelãs (29,2%) e amêndoas ( 14%).

Destino

No período analisado foram registrados embarques para mais de 90 destinos, mas três deles representaram 80,9%, sendo China o principal com 51,1% dos embarques, o que implicou na movimentação de 507 mil toneladas (+11,2%) para US$ 2.267 milhões FOB (+8,2%). O gigante asiático foi seguido por Estados Unidos com 21,7% do que foi movimentado e 449 mil toneladas (+11,3%) por US$ 964 milhões FOB (+15,1%); Holanda 4% das exportações, com 59 mil toneladas (-4,4%) por US$ 160 milhões FOB (+7,8%), Reino Unidos 2% dos embarques, com 30 mil toneladas (-5,7%) por US$ 91 milhões FOB (+14,7%) e Brasil 2%, com 44 mil toneladas (+2,9%) por US$ 87 milhões FOB (+21%).

Enquanto isso, as principais frutas exportadas em valor, no período, foram as cerejas com 46,1% dos embarques, seguidas pelas uvas (18,9%), mirtilos (11,2%), ameixas (8,3%) e maçãs (3,3%).

Tipo de fruta

O posicionamento de cerejas No mercado externo atingiram 347.789 toneladas (+13,6%) por US$ 2.048 milhões FOB (+12%). China Foi o principal destino desta fruta, concentrando 91,7% dos embarques, com 313 mil toneladas (+18,2%) por US$ 1.878 milhões FOB (+13,1%).

Os envios de uvas foram 459.122 toneladas (-0,4%) por um valor de US$ 840 milhões FOB (+1,7%). Estados Unidos Foi o principal destino desta fruta, concentrando 58% dos embarques, com 288 mil toneladas (+20,3%) por US$ 487 milhões FOB (+23,2%). 93,5% dos embarques de uva foram como frutas frescas, 3,3% como frutas desidratadas, 3,1% como sucos. As exportações de mirtilos Foram localizadas 100.179 toneladas (+10,3%) no valor de USD 495 milhões FOB (+32,2%). Os Estados Unidos foram o principal destino desta fruta, concentrando 43,1% dos embarques, com 43 mil toneladas (+5,5%) por US$ 213 milhões FOB (+24,7%). 83,4% dos mirtilos foram exportados como fruta fresca, 13,5% como congelados e 3,1% como enlatados, sucos e desidratados.

Os envios de ameixas Foram 182 mil toneladas (+23,2%) por um valor de USD 367 milhões FOB (+5,8%). A China foi o principal destino desta fruta, concentrando 61,1% do total, com 109 mil toneladas (+26,2%) por 224 milhões FOB (+5,8%). 80% das ameixas foram exportadas como fruta fresca, 18,1% como desidratada e os restantes 1,9% como sumos e conservas. Os envios de maçãs Foram 134 mil toneladas (-8,7%) no valor de USD 147 milhões FOB (-7,1%). A Colômbia foi o principal destino desta fruta, concentrando 17,7% do total, com 23,5 mil toneladas (-7,5%) por US$ 26 milhões FOB (+8,4%).

importações

No período de janeiro a abril de 2024, as importações de frutas atingiram 176 mil toneladas (+15%) por US$ 198 milhões CIF (+17,6%). Do total importado pelo Chile, 50% corresponderam a frutas frescas, 46% a frutas processadas e 3,9% a frutas secas. Quanto às origens, o principal fornecedor foi o Peru com 32%, o Equador com 23%, os Estados Unidos com 10%, o Brasil com 7% e a Argentina com 5,1%. Relativamente à fruta fresca, chegaram 129,7 toneladas (+16%) no valor de 98,8 milhões de dólares CIF (+26%). As principais frutas importadas foram banana com participação de 41,3%, abacate (39,2%), manga (4,0%), abacaxi (3,9%) e limão (3,9%).

Relativamente às conservas, as receitas atingiram as 12 mil toneladas (+10%) para USD 27,9 milhões CIF (+8,2%). As principais frutas importadas nesta categoria foram Outras frutas com participação de 59,5%, pêssegos (16,2%), azeitonas (14,8%), mangas (2,4%) e damascos (2,4%). Relativamente aos sumos, as chegadas atingiram 9,8 mil toneladas (+9%) por USD 24,5 milhões CIF (+27%). As principais frutas importadas nesta categoria foram laranja com participação de 50,9%, outras frutas (18,4%), abacaxi (14,2%), pera (3,9%) e outras frutas cítricas (3,9%).

Relativamente aos óleos, foram importadas 12 mil toneladas (-3%) por USD 21,4 milhões CIF (-13,6%). O coco representou 60,1% das importações, outras frutas 17,5% e azeitonas 17,0%. Os produtos congelados registaram 6 mil toneladas (+28%) em importações por USD 13,5 milhões CIF (+16,8%). As outras frutas representaram 60,9% desta categoria, as framboesas 10,7%, as cerejas 7,9% e os morangos 7,4%.

Os produtos desidratados registaram 3 mil toneladas (+187%) em importações por USD 4,3 milhões CIF (+93,9%). As ameixas representaram 31,7% desta categoria, os cocos 25,2%, as uvas 10,9% e os pêssegos 8,2% e os damascos 8%. Por último, a castanha registou importações de 1.000 toneladas (+15%) por 7 milhões de dólares CIF (+16,4%). As amêndoas representaram 74,4% desta categoria, outras nozes representaram 19,8% e os cocos representaram 2%.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

A indústria peruana de mirtilo se recupera e cuida de suas colheitas
«Se receberem atenção suficiente, as amoras certamente têm poder...
Agrícola Cayaltí aposta no mirtilo em Lambayeque: Qual é a sua...