Bioestimulantes: Inovação para produção?

O renomado cientista Patrick Du Jardin fará parte do distinto grupo de relatores que compõem o XIII Seminário organizado pela Blueberries Consulting no próximo mês de outubro 30 em Madri, Espanha.

Sendo o autor e pesquisador há mais de estudos científicos 200 publicados em portais especializados, ter o apoio de instituições e universidades em todo o mundo por seu trabalho para além do seu título académico de Doutor da Faculdade de Ciências da Universidade Agrícola Gembloux Liège (Bélgica) dar Patrick Du Jardin grande prestígio.

A segunda edição de seminários internacionais oferecidos pela organização Blueberries Consulting na Espanha, será realizada no Hotel Meliá Avenida América, em Madri, e será o lugar ideal para o Sr. Du Jardin responder à pergunta sobre se o uso de bioestimulantes é uma inovação no que diz respeito à produção sustentável de cultivo de cranberry.

Também lhe permitirá apresentar sobre os trabalhos e pesquisas realizadas sobre este tema. Os participantes deste evento poderão ver em primeira mão alguns resultados e práticas que o professor desenvolveu na última vez.

O especialista belga dedicou a maior parte de sua atividade profissional ao estudo de plantas. Em 1996, como chefe da Unidade de Biologia Vegetal da Faculdade de Gembloux, ele orientou a pesquisa de sua equipe para a fisiologia de plantas e ferramentas. biotecnologia nesta perspectiva.

Neste contexto, Du Jardin desenvolveu a sua experiência em vegetais e culturas geneticamente modificadas e participa há anos em comitês de especialistas envolvidos na avaliação pública de riscos em termos de genética na Europa.

Ele atualmente atua como vice-presidente do Painel de organismos geneticamente modificados (OGM) da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (AESA por sua sigla em Inglês, Parma, Itália), que é composto por um grupo de cientistas que estão envolvidos na avaliação dos riscos associado com OGM na Europa.

Essa abordagem multidisciplinar da pesquisa agropecuária e da inovação tecnológica é reforçada por sua participação em comitês internacionais de ética, como o Instituto Nacional de Pesquisa Agropecuária (INRA) e o Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agrícola para o Desenvolvimento (Cirad). sede em França.

Por outro lado, Du Jardin expressou repetidamente sua necessidade de compartilhar seus conhecimentos, por isso decidiu divulgar sua experiência profissional através de outra de suas paixões: Ensinamento. Por essa razão, tornou-se professor de biologia vegetal na escola Gembloux Agro-Bio Tech, uma unidade da qual ele também era reitor do 2007-2009.

Esta seria a segunda participação como relator de Patrick Du Jardin em atividades relacionadas à nossa organização. Em maio passado, o especialista também fez parte do programa do Seminário em Lima, Peru.

Para discutir

O cientista Patrick Du Jardin define bioestimulantes como substâncias ou microorganismos que, quando aplicados a plantas, são capazes de melhorar seu desempenho em termos de absorção ou assimilação de estimulantes.

Afirma que quando um bioestimulante é aplicado às plantas, isso melhora a sua tolerância ao estresse biótico ou abiótico, que eventualmente permite que a planta para melhorar algumas de suas características agronômicas, independentemente do conteúdo de nutrientes contidos na própria substância.

Nesta linha, o acadêmico conversou conosco sobre algas marinhas, um dos bioestimulantes mais eficientes conhecidos, e cujas variedades podem ser usadas para o cultivo de mirtilos e outras espécies de natureza hortícola.

A teoria de Du Jardin é apoiada por vários estudos científicos, que indicam que desde o século XX esses organismos têm sido usados ​​dentro da indústria agrícola em várias partes do mundo, isto porque eles têm uma série de propriedades que os tornam ideais para o crescimento de plantas, frutas e legumes.

O cientista diz que as algas são compostos de substâncias "muito especiais", especialmente em suas paredes celulares. Em relação a estes componentes, tais como tensões bioantioxidantes ambos solúveis (fosfolípidos, carotenóides, xantofilas, tocoferol) como solúveis em água (polifenóis: polímeros floroglucinol ou phlorotannins, bromofenóis, enzimas: superóxido dismutase, glutationa redutase, catalase, glutationa peroxidase e ascorbato- , vitamina C).

"As algas também têm polissacarídeos e açúcares que reforçam sua capacidade de lidar com a defesa natural que possuem. Ou seja, eles têm uma maior capacidade de se recuperar de qualquer tipo de estresse abiótico, como hídrico, salino ou térmico ", responde Du Jardin.

Nitrogênio orgânico

A intervenção do ser humano em praticamente todas as suas tarefas diárias tem causado danos terríveis à nossa Terra. E os pisos, claro, não estão isentos dessa condição desfavorável, o que poderia ser completamente irreversível.

A presença de nitrogênio nos solos é prova disso, especialmente porque eles são um componente que aparece em grande parte em fertilizantes. Estudos sugerem que o excesso desse elemento químico poderia ser responsável pelos danos de algumas terras agrícolas em certas áreas do mundo.

Na opinião de Patrick Du Jardin, a poluição causada pelo nitrogênio é "iminente". Para o cientista, o problema cresce porque se torna mais difícil retirá-lo das superfícies, porque "quanto mais você tenta queimá-lo, o perigo de volatilização deste composto aumenta no solo".

Mas o engenheiro agrônomo não dá tudo por perdido e destaca o fato de que as algas são organismos ricos em "nitrogênio orgânico", substância que resulta da combinação de moléculas como proteínas, aminas e aminoácidos.

Sobre o tipo de algas que podem ser consideradas "mais relevantes" para as culturas, Du Jardin fala sobre os marrons, que são classificados como feofitas. "Quanto à taxonomia, as algas marrons, que são maiores, são as mais relevantes. Isso é porque eles são uma fonte muito importante de nitrogênio orgânico ", diz ele.

Adicionar nas altas concentrações gama de vitaminas, hidratos de carbono, lípidos e minerais, incluindo cálcio, fósforo, potássio e magnésio, razões que são encontrados mais adequado quando nutrir o solo onde irão ser plantadas a colheitas.

O especialista admite que muitas das substâncias que possuem alguns tipos de algas ainda são desconhecidas, enquanto menciona que maiores esforços estão sendo feitos para estudar os compostos bioativos que existem dentro desses organismos marinhos, a fim de fazer contribuições mais específicas nesta matéria. .

Novas tendências

Patrick Du Jardin observa positivamente a implementação de resíduos de outras plantas ou vegetais para gerar novas plantações. "Eu acho que é uma perspectiva interessante para ver como podemos usar restos de plantas e preparar extratos de seus compostos bioativos", diz o pesquisador belga.

A este respeito, o cientista menciona um estudo realizado por um grupo de pesquisa italiano, embora ele não precise de detalhes, ele diz que o experimento foi baseado no uso de extratos de bagas, e que estes foram adicionados às principais plantas das culturas.

"Usando o extrato da baga, aplicando-o à planta principal, a fisiologia dessa planta pode ser modificada. Talvez por estarem relacionados a diferentes compostos bioativos, como os compostos fenólicos, que por sua vez têm impacto no metabolismo das bagas ”, explica Du Jardin.

Saliente que esta tendência anda de mãos dadas com o apelo de ser mais responsável com os nossos recursos naturais, porque considera que quando se aprende a usar resíduos e "bioprodutos", está em sintonia com o ambiente e com os seus cuidados.

Regulação: Causa de controvérsia

Segundo o site da Associação Espanhola de Fabricantes de Agronutrientes (AEFA), o uso de extratos de algas está sendo regulamentado pelas respectivas legislações de vários países da Europa.

Sobre o assunto, Patrick Du Jardin admite não ser um especialista, mas diz estar otimista de que haverá um conselho nos parlamentos onde a questão é discutida. Ele insiste que não há riscos associados ao uso de bioestimulantes e convida os atores políticos a tratar a questão com mais consciência para que haja acordos entre países.