Mirtilos no sul do Chile: adaptação às mudanças

O mirtilo americano é a principal colheita de frutas em Los Lagos. Segundo dados do último cadastro elaborado pelo Escritório de Políticas e Estudos Agrícolas (Odepa), com apoio do Centro Nacional de Recursos (Ciren, na região) existem 971 ha de mirtilo plantados no 2019, o que representa um aumento de 8,25% em relação a para 2016.

Neste contexto, no próximo novembro 7 no 8: horário do 30 no Hotel Diego de Almagro em Osorno, será realizado o seminário "Mirtilos no sul do Chile: adaptação às mudanças".

Este evento organizado pela Corfo Los Lagos e pelo Blueberry Committee, uma organização vinculada à Associação de Exportadores de Frutas do Chile AG (Asoex), contará com a participação dos principais especialistas. Ruy Barbosa da empresa Northbay Chile; Ernesto Cisternas, do Instituto de Pesquisa Agrícola; Gustavo Lobos, Universidade de Talca; Richard Bastías, Universidad de Concepción e o meteorologista Gianfranco Marcone desenvolverão questões relacionadas à produção, mercado e desafios futuros.

ORGÂNICO

Julia Pinto, gerente técnica do Comitê de Blueberry do Chile, disse que este seminário se concentrará na produção orgânica.

“Queremos mostrar o que acontece com os mercados da Europa e dos Estados Unidos. Mirtilos orgânicos podem ser levados de La Araucanía para o sul e os Estados Unidos são o principal comprador, por isso queremos ver o que está acontecendo com as demandas, com os volumes de produção orgânica e que serão fornecidos pela própria indústria através de uma empresa que envia frutas para os Estados Unidos. Será uma visão global da produção orgânica ”, afirmou.

desafios

Pinto também afirmou que, tanto na produção orgânica quanto na convencional, é importante trabalhar na qualidade e condição das frutas que são exportadas.

"Temos que deixar claro que o Chile é um participante muito importante na produção e exportação de mirtilos, mas atualmente existem outros atores relevantes na produção de mirtilos por contraestação, como o Peru", afirmou.

Precisamente, para enfrentar essa competição, o especialista disse que é preciso apostar em variedades que apresentem boas condições de frutos e que possam alcançar bem os mercados de destino. Neste ponto, o gerente geral do Comitê disse que eles estão avançando em uma substituição varietal e, portanto, retiram do jogo aqueles que não atendem aos requisitos.

A proteção dos pomares no contexto das mudanças climáticas é outro desafio nessa área. “Analisar e atualizar a questão das mudanças climáticas é que convidamos o meteorologista, Gianfranco Marcone. Estamos investindo em novas variedades e a genética não é barata, portanto, se estamos em uma área de risco climático, temos que nos proteger ”, concluiu.